Audaces - We are the industry 4.0

Design de moda com foco em resultados para seu negócio

Ícone de Pesquisa

10/07/2015

Semiótica Peirceana no Varejo de Moda

Por Eduardo Vilas Bôas
Professor de Moda do Senac SP

Já imaginou como a semiótica peirceana pode influenciar no varejo de moda? Vamos tratar disso no artigo de hoje. Para Charles Sanders Peirce (1839-1914), “o mundo inteiro está permeado de signos, se é que ele não se componha exclusivamente de signos” (PEIRCE apud NÖTH, 1995, p. 62). E, portanto, o ponto de partida da teoria da semiótica peirceana são os signos, entidades das quais as cognições, as ideias e até o homem são essencialmente semióticos.

Charles Sanders Peirce

A fim de encontrar categorias que pudessem agrupar a diversidade e a imensidão de signos e propor um modelo que explicasse a multiplicidade dos fenômenos do mundo, Pierce (2000) cunhou os modelos em três categorias universais: a primeiridade, a secundidade e a terceiridade, que trata da parte fenomenológica da capacidade de se gerar significação às coisas e a tudo.

1.   Primeiridade é “a categoria do sentimento sem reflexão, da mera possibilidade, da liberdade, do imediato” (NÖTH, 1995, p.63), isto é, os aspectos puramente qualitativos e pré-reflexivos, como as cores, texturas, formas, volumes, sons etc. Por isso, trata-se de uma instância sensorial, emotiva e de não elaboração;

2.   Secundidade “é a categoria da comparação, da ação, do fato, da realidade e experiência no tempo e no espaço” (NÖTH, 1995, p.64), isto é, os aspectos puramente factuais e existentes, como a ação e a reação e a causa e o efeito;

3.   Terceiridade “é a categoria que relaciona um fenômeno segundo a um terceiro” (NÖTH, 1995, p.64), isto é, a mediação de hábitos, memórias, da comunicação e da representação, isto é, do signo.

Logo, a primeiridade é o sentimento não analisado, a secundidade é o registro do sentimento, enquanto a terceiridade é o meio para comparação que desdobra num futuro, ou seja, a base dos signos é uma relação triádica entre esses três elementos.

O signo, para Pierce, não é uma classe de objetos, mas a função de um objeto no processo de significação, chamado por ele de Semiose, portanto, o signo tem sua existência na mente dos indivíduos e não na realidade em si. Essa interpretação dos signos é um processo dinâmico mental. Pierce ainda categorizou (tipologicamente) os signos de forma a facilitar o entendimento sobre a forma como estabelecem seu processo de significação. Os três tipos distintos de signos são: ícone, índice e símbolo.

Todo o signo é determinado pelo seu objeto: quer porque, em primeiro lugar, faz parte do caráter do objeto, e nesse caso chamo ao signo um Ícone; quer porque, em segundo lugar, está realmente, e na sua existência individual, e nesse caso chamo ao signo um Índice; quer, em terceiro lugar, pela certeza mais ou menos aproximada de que será interpretado como denotando o objeto em consequência de um hábito, (…) e nesse caso chamo ao signo um Símbolo (ZEMAN apud FISKE, 1998, p. 71).

Fiske (1998) determina que a aproximação, o entrelaçamento ou mesmo o nível de classificação da categoria de um signo depende, realmente, do objeto ao qual se refere. Nesse sentido, assumir a classificação de um determinado signo como sendo um ícone, índice ou símbolo dependerá, na maior parte das vezes, da interpretação e circunstância que ocorreu o processo de semiose e da relação deste signo com o objeto e com a realidade no momento em que foi utilizado. Na tabela a seguir vê-se a definição, a exemplificação e o posicionamento para cada tipo de signo.

Tabela – Categorização dos signos segundo Charles Sanders Peirce

Assim, o ícone é um signo cujas condições de significação não precisa da existência de seu objeto, por exemplo, toda hipótese é icônica. O índice é o signo que significa tão somente através de seu vínculo existencial com o seu objeto. Desta forma é a existência do objeto que determina a possibilidade de interpretação do índice. Já o símbolo está conectado a seu objeto por força da ideia do interpretante, sem a qual essa conexão não existiria.

O varejo de moda, cada vez mais ciente dos recursos efetivos de comunicação que a semiótica peirceana proporciona, tem buscado incorporar os signos de forma mais articulada em suas estratégias de comunicação.

Das escolhas mais simplistas, como a coordenação de cores, até as mais complexas na construção de narrativas que permeiam a Comunicação Integrada de Marketing. Hoje vê-se uma real intenção das empresas em seduzir o consumidor e incentivá-lo ao consumo através do estreitamento das relações afetivas entre marca e indivíduo. Pois, em função dos vários freios de consumo que permeiam o inconsciente do consumidor, é papel da comunicação mercadológica solucioná-los, dando vazão às compras, e a semiótica pode ser um rico instrumento para alicerçar essa estratégia.

Referências
NÖTH, Winfried. Panorama da Semiótica – de Platão a Pierce. 4ª edição. São Paulo: Annablume, 1995. (volume 3 da Coleção e).
PEIRCE, Charles Sanders. Semiótica. 3ª edição. Tradução José Teixeira Coelho Neto. São Paulo: Editora Perspectiva, 2000.
FISKE, John. Introdução ao Estudo da Comunicação. Lisboa: Asa, 1998.
PIGNATARI, Décio. Informação, Linguagem, Comunicação. São Paulo: Atelie Editorial, 2003.

Leia mais:
Antropologia e semiótica de marcas
Gestão de marca na moda – Parte 1
O conceito de belo na estética grega

 

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Você também pode gostar de ler:

febratex 2022

07/06/2022

Audaces na Febratex 2022: como a tecnologia 4.0 vai estar presente na moda do futuro?

Escrito por Audaces

o que é cloud computing

27/05/2022

Cloud computing: o que é e como suas tecnologias auxiliam na confecção

Escrito por Audaces

just in time o que é

13/05/2022

Just in time: o que é, como funciona e como é aplicado na Indústria

Escrito por Audaces

saas o que é e como funciona

11/05/2022

SaaS: saiba como funciona o software como serviço

Escrito por Audaces

mulher ensinando o funcionamento do Audaces Supera

06/04/2022

Audaces Supera: gerenciando o processo de encaixe e eliminando desperdícios

Escrito por Audaces

empreendedora de moda com ateliê ao fundo

01/04/2022

Empreendedorismo feminino: como atuam as mulheres no fortalecimento do setor industrial?

Escrito por Audaces

vista panorâmica de grande indústria

30/03/2022

Saiba como a tecnologia tem sido aplicada no setor industrial

Escrito por Audaces

24/03/2022

Tecido crepe: conheça mais sobre ele e suas aplicações

Escrito por Audaces

Os 12 estilos de moda: caiba qual é o seu

22/03/2022

Os 7 estilos de moda universal e suas características

Escrito por Audaces

Mulher ao computador controlando operação fabril

17/03/2022

Lean manufacturing: conheça os princípios da manufatura enxuta

Escrito por Audaces

esteira de produção em uma indústria

15/03/2022

A automatização industrial no contexto das confecções 4.0 – conheça os benefícios

Escrito por Audaces

modelo em passarela

10/03/2022

Como produzir um editorial de moda – guia completo Audaces

Escrito por Audaces

robô simulando pose humana com quadro de fórmulas ao fundo

08/03/2022

O que é Machine Learning e como ele atua na Indústria 4.0

Escrito por Audaces

Audaces 30 years

03/03/2022

30 anos de Audaces: entrevista com os fundadores Claudio Grando e Ricardo Cunha

Escrito por Audaces

rolos de tecido coloridos

24/02/2022

Fibras têxteis: tudo o que você precisa saber sobre o assunto – manual Audaces

Escrito por Audaces

rosto de estátua grega com fundo preto

22/02/2022

O que é Belo? Conheça seu conceito para a arte e o mundo da moda

Escrito por Audaces

04/02/2022

O que é e qual a importância de um PCP na confecção de Moda?

Escrito por Audaces

Transformação digital

01/02/2022

Transformação digital: benefícios e impactos nas indústrias e confecções

Escrito por Audaces

roupas penduradas no cabide

31/01/2022

Tendências do ano de 2022 para o segmento têxtil

Escrito por Audaces

Mapeamento de processos

26/01/2022

A importância do mapeamento de processos para a confecção

Escrito por Audaces

Coleção de moda

26/01/2022

Saiba quais os processos envolvidos na criação de uma coleção de moda

Escrito por Audaces

Gestão do tempo

25/01/2022

Saiba como fazer uma boa gestão do tempo para alavancar resultados

Escrito por Audaces

laptop com ícones de aplicativos na tela

20/01/2022

A importância do BI para análise de dados e tomada de decisões

Escrito por Audaces

Indústria-4-0

17/01/2022

Indústria 4.0: tudo o que você precisa saber sobre o futuro da confecção

Escrito por Audaces

circuito azul e roxo

14/01/2022

O que é Big Data e como ele colabora para a Indústria 4.0

Escrito por Audaces

Inteligência Artificial

13/01/2022

IA e Moda: influência da Inteligência Artificial na Indústria Fashion

Escrito por Audaces

rolos de tecidos em fábrica têxtil

10/01/2022

5 tendências para o segmento têxtil e a indústria da moda

Escrito por Audaces

macchine taglio tessuti

07/12/2021

Sala de corte 4.0: a solução para a eficiência na etapa produtiva

Escrito por Audaces

robôs transportando estoque

12/11/2021

O que são e como funcionam as fábricas inteligentes

Escrito por Audaces

mulher tocando tela holográfica

05/11/2021

A importância do IoT para as Indústria e as Confecções 4.0

Escrito por Audaces

19/10/2021

Degradê Confecções: como a empresa cresceu 13% com as soluções Audaces

Escrito por Audaces

Chanel alta-costura outono 2018

13/07/2021

O que são as macrotendências e como elas influenciam o mundo da moda

Escrito por Audaces

sistema de transporte mais seguro e renderização 3D

28/06/2022

Manufatura avançada: saiba o que esperar do futuro da indústria 

Escrito por Audaces

Mulher escrevendo lista de inventário enquanto verifica o estoque na sala de armazenamento.

28/06/2022

Entenda o que é e como fazer o inventário de estoque da sua confecção

Escrito por Audaces