Audaces - Improve your design

Design de moda com foco em resultados para seu negócio

Ícone de Pesquisa

20/01/2014

Segurança no vestuário infantil previne acidentes

Mais uma iniciativa acaba de ser anunciada na França no que tange à proteção do consumidor de vestuário na Europa: dessa vez, o foco está na segurança no vestuário infantil. Segundo a Commission de la Sécurité des Consommateurs (CSC) – Comissão para a Segurança dos Consumidores, traduzido do francês – um mercado que faz circular 500 milhões de artigos de moda infantil é muito heterogêneo.

Essa diversidade de modelos, formas, cores e materiais traz inúmeros benefícios relacionados com identidade e estilo de vida, dentre outros, mas pode também trazer perigos. Na verdade, a segurança no vestuário infantil, principalmente para os usuários recém-nascidos, precisa ser muito bem concebida e testada. Qualquer deslize pode trazer danos ao bebê e à criança pequena, sendo alguns deles graves.

Estudos recentes revelaram que, ao se realizar testes de resistência ao fogo e de análises químicas em diversas peças do vestuário, não foram encontrados grandes problemas quanto ao que a etiqueta do produto informava. Mas, as maiores fraquezas das 45 roupas analisadas foram relacionadas com os testes mecânicos.

Explicando melhor, a grande quantidade de elementos destacáveis, como botões e enfeites, não resistiram a um teste de tração mínima. Os botões tipo pressão são suscetíveis a serem destacados e as aplicações em pérolas são elementos que podem ser facilmente puxados das roupas, e ambos, serem ingeridos por crianças muito pequenas, em especial aquelas com menos de três anos de idade.

Como consequência, uma nova regulamentação para garantir a segurança no vestuário infantil que esclareça padrões de resistência mecânica e de toxidade dos materiais foi implantada. A CSC sugere uma classificação diferenciada de roupas para o uso diurno ou noturno, assim como uma avaliação de riscos por faixa de idade dos usuários: bebês com menos de três meses, crianças pequenas com menos de cinco anos e crianças maiores.
 

Novas regras para segurança no vestuário infantil/ Reprodução

Neste sentido, no dia 05 de dezembro de 2013 foi lançado na cidade de Vilnius, na Lituâneia, o Guia da Segurança dos Artigos para Crianças (Guide sur la sécurité des articles pour enfants : les produits potentiellement dangereux), válido para todo o mercado comum europeu. Dentre os 26 produtos identificados como potenciais perigosos, seja na fabricação ou no uso estão as roupas infantis de dormir.

Quanto a segurança no vestuário infantil, para surpresa, dentre as orientações, há uma relacionada ao não uso do tecido de algodão, mesmo que em mistura, visto que sua flamabilidade é alta. Nas recomendações relacionadas com pijaminhas e camisolinhas, vem a necessidade do uso de tecidos com tratamento antichamas, na medida que o percentual de incêndios envolvendo crianças que dormiam é considerado alto.

No mesmo sentido, foi banido o uso de cordões, fitas e botões que possam causar estrangulamento, asfixia ou acidentes no berço. O documento sugere ainda que as roupas de dormir não sejam muito folgadas, e sim justas ao corpo, para facilitar o transporte de uma criança num momento de emergência e minimizar parte do vestuário preso a objetos em caso de acidente.

O assunto parece controverso por trazer à tona mudanças tecnológicas e culturais.

Por Maria Alice Rocha
Doutora (PhD) em Design de Moda

 

Leia mais:

Comportamento e consumo de moda para o segmento infantil

Roupa infantil: saiba os cuidados que deve ter

Verão 2016: segmento infantil menino

Tendências da moda para meninas no Verão 2016

 

 

 

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Você também pode gostar de ler:

Novembro Azul

30/11/2020

Novembro Azul: A cor da moda para os homens

Escrito por Audaces

produto-de-moda-desenvolvimento-industria-4.0-audaces

24/11/2020

Como aperfeiçoar o produto de moda com tecnologias da Indústria 4.0

Escrito por Audaces

indústria têxtil

24/11/2020

Indústria têxtil: matérias-primas podem ser naturais e químicas?

Escrito por Audaces