Audaces - Improve your design

Design de moda com foco em resultados para seu negócio

Ícone de Pesquisa

10/07/2013

Mão de obra qualificada nas confecções está em falta

A pesquisa publicada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) intitulada “Falta de Trabalhador Qualificado na Indústria”, mostra que faltam profissionais qualificados para atender à aceleração do crescimento industrial no Brasil. Não que não hajam desempregados, mas sobram vagas devido à falta de qualificação para o trabalho.

Os setores mais prejudicados são o petrolífero e informático, mas construtoras e confecções também sofrem com a carência de profissionais capacitados para impulsionar a produção onde os Programas governamentais de Aceleração do Crescimento (PAC) acentuam ainda mais a disputa por pessoas com formação técnica e tecnológica.

Em projeções do SENAI, para a indústria de confecção, há indicações que o Brasil não tem capacidade de oferta de profissionais para crescer 5% ao ano: faltam não apenas técnicos de nível médio mas também engenheiros, executivos e mesmo profissionais de alta qualificação científica e tecnológica.

Segundo o documento do SENAI, muitas dessas empresas estão com até 20% de suas máquinas paradas por falta de mão de obra qualificada. Situação esta que está inserida em um contexto em que empresários se veem obrigados a importar peças que necessitem de acabamentos especiais e sofisticados.

baixa qualificação estende-se em todos os setores de produção, como costureiras, modistas, estilistas, vendedores, designers, e atinge profissionais dos setores financeiro e de recursos humanos. Especialistas em trabalho e economia consideram que é preciso investimento do governo em treinamento de professores e também que os empresários e trabalhadores se conscientizem da relevância do treinamento e da qualificação profissional.

 

A falta de mão de obra qualificada atinge todo o processo produtivo das confecções/ Reprodução

A pesquisa da CNI argumenta que 75% das empresas de vestuário e 32,5% das empresas têxteis necessitam de mão de obra qualificada e que as pequenas e médias empresas são as que mais sofrem com a carência de recursos humanos de boa formação técnica: as empresas de vestuário são em sua maioria pequenas, enquanto as do setor têxtil são grandes.

Pequenas e médias empresas atuam na complementação da formação profissional, oferecendo estágios e maior abertura para os profissionais iniciantes, mas perdem muitos empregados para empresas maiores que oferecem mais benefícios e maiores salários.

Portanto, nas palavras de Marcio Pochman, finalizo: “É preciso aproximar as empresas dos centros de formação. Em países como Alemanha e Japão, o governo faz pesquisas que antecipam as demandas futuras por trabalhadores. Aqui, a qualificação é feita pela oferta de cursos e não pela demanda das empresas”.

Por Ana Luiza Olivete
Designer de Moda, Professora e Consultora Empresarial

 

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Você também pode gostar de ler:

produto-de-moda-desenvolvimento-industria-4.0-audaces

24/11/2020

Como aperfeiçoar o produto de moda com tecnologias da Indústria 4.0

Escrito por Audaces

indústria têxtil

24/11/2020

Indústria têxtil: matérias-primas podem ser naturais e químicas?

Escrito por Audaces

Listras de tinta com cores do círculo cromático

16/11/2020

O que é círculo cromático e como combinar cores na moda

Escrito por Audaces