Audaces - Improve your design

Design de moda com foco em resultados para seu negócio

Ícone de Pesquisa

04/12/2015

Será o fim das marcas infantis? Resolução do Conanda proibiu a propaganda para crianças

2 min

Por Eduardo Vilas Bôas

Professor de Moda do Senac SP

 

Allen D. Kanner, psciólogo americano, relatou em denuncia a APA (American Psychological Association) que no começo de sua carreira, quando questionava as crianças sobre qual profissão queriam ter no futuro, elas invariavelmente apontavam ocupações como astronauta, médico ou policial. Hoje, no entanto, não é incomum elas apontarem que querem “ganhar dinheiro”.

Para Kanner, uma das explicações para essa mudança pode ser encontrada na propaganda para crianças. "A propaganda é pesada, são vários milhões de dólares em projetos, o que está gerando um enorme impacto sobre o desenvolvimento das crianças", diz Kanner, que também é membro do programa de treinamento de psicologia clínica chamado Instituto Wright.

De acordo com Kanner, o resultado não é apenas uma epidemia de valores materialistas entre as crianças, mas também algo que ele chama de "ferida narcísica". Graças à propaganda, diz ele, as crianças tornaram-se convencidas de que elas são inferiores as outras se não tiveram uma infindável variedade de novos produtos.

Frente situações como essas relatadas por psicólogos, alguns países como Reino Unido, Grécia, Dinamarca e Bélgica já restringiram a publicidade voltada para os pequenos. Em Quebec, província canadense, Suécia e Noruega a propaganda para crianças com idade inferior a 12 anos é ilegal.

No Brasil, a primeira ação visando proteção das crianças veio com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), mas somente em 2004 que a questão da propaganda dirigida foi especificada. A Resolução 163/2004 do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda), um ato normativo infralegal, “dispõe sobre a abusividade do direcionamento de publicidade e de comunicação mercadológica à criança e ao adolescente [até 12 anos]”. Assim, hoje no Brasil considera-se ilegal em propagandas para crianças:

  • linguagem infantil, efeitos especiais e excesso de cores;
  • trilhas sonoras de músicas infantis ou cantadas por vozes de criança;
  • representação de criança;
  • pessoas ou celebridades com apelo ao público infantil;
  • personagens ou apresentadores infantis;
  • desenho animado ou de animação;
  • bonecos ou similares;
  • promoção com distribuição de prêmios ou de brindes colecionáveis ou com apelos ao público infantil; e
  • promoção com competições ou jogos com apelo ao público infantil.

No entanto, deve ficar claro que a existência e a divulgação de produtos infantis não são proibidas, mas sim a mensagem criada especificamente e direcionada para a criança, ou seja, as empresas devem agora comunicar-se diretamente com os pais, pensando em estímulos e argumentos focados na decisão de compra dos adultos.

Referências:

http://www.apa.org/monitor/sep00/advertising.aspx

http://dh.sdh.gov.br/download/resolucoes-conanda/res-163.pdf

 

Saiba mais:

Comportamento e consumo de moda para o segmento infantil
A onda do consumo consciente de moda
Pesquisa de moda: como entender os desejos do consumidor?

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Você também pode gostar de ler:

Modelo da grife Versace usando lenço na cabeça em backstage de desfile.

19/04/2021

Como usar lenço: 5 inspirações para aplicar a peça ao seu estilo

Escrito por Audaces

Digitalização de moldes

13/05/2021

Como a digitalização de moldes pode melhorar sua produção

Escrito por Audaces

Bailarina Ingrid Silva gestante

07/05/2021

Moda gestante: como as mulheres grávidas se vestiram ao longo do tempo

Escrito por Audaces

design-thinking-en-la-educacion-creatividad-audaces

06/05/2021

Como os princípios do design contribuem com a moda?

Escrito por Audaces