Audaces - Improve your design

Design de moda com foco em resultados para seu negócio

Ícone de Pesquisa

19/07/2013

Os Ballets Russes – precursores de grandes transformações

Que a década de 1920 foi incrível na sua capacidade de revolucionar, tendo derrubado paradigmas e seduzido a todos, ninguém discorda. Mas, é interessante notar alguns movimentos anteriores, precisamente nos anos ’10, que precederam os “anos loucos”.

Um desses movimentos “transgressores” para a época, surgiu com a bailarina americana Isadora Duncan. Ela causou polêmica ao propor uma nova dança, em que ignorava todas as técnicas do balé clássico e contemplava a improvisação.

Outros eventos também marcaram esta época. O empresário artístico russo e produtor da companhia Ballets Russes, Sergei Diaghilev, levou uma exposição de arte russa à Paris. A ida de Diaghilev à França mobilizou um grande grupo de profissionais, os quais foram responsáveis por profundas reestruturações no que se refere à dança e às atividades no seu entorno.

Os figurinos dos espetáculos traziam como inspiração o folclore russo, feitos a partir de pesquisas de trajes tradicionais folclóricos. Leon Bakst é o grande nome dos figurinos para os espetáculos de Diaghilev. Contudo, produziram figurinos também Nicholas Roerich, responsável pelo trabalho em “A Sagração da Primavera”, Natalia Goncharova, e Coco Chanel – esta com figurinos para “O Trem Azul”.

Em “A Sagração da Primavera”, de 1913, a música foi composta Igor Stravinsky e a coreografia elaborada por Vaslav Nijinsky. As estruturas rítmicas usadas no espetáculo e o uso das dissonâncias fizeram dele uma referência para a música e a dança do século XX.

Diaghilev, enquanto produtor, foi visionário na aposta que fez levando os Ballets Russes para Paris e agregando em torno de si figuras exponenciais, como Pablo Picasso, responsável por vários cenários dos ballets, e DeChirico, responsável por alguns figurinos.
 

Paul Poiret trouxe cores fortes e vibrantes para as roupas femininas do século XX / Reprodução

Antes mesmo dos Ballets Russes, Paul Poiret vinha revolucionando as cores da moda feminina, substituindo os tons pálidos por roxos, vermelhos, laranjas e azuis expressivos. Ao entrar em contato com o orientalismo dos ballets de Diaghilev, surgiram entre suas criações os turbantes, as saias entravés, túnicas suntuosas e capas pesadas. Era o início do legado que os Ballets Russes deixariam para a história.

Por Ana Carolina Steil
Pós graduanda em Mídia Moda e Inovação Senac/RS

 

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Você também pode gostar de ler:

Novembro Azul

30/11/2020

Novembro Azul: A cor da moda para os homens

Escrito por Audaces

produto-de-moda-desenvolvimento-industria-4.0-audaces

24/11/2020

Como aperfeiçoar o produto de moda com tecnologias da Indústria 4.0

Escrito por Audaces

indústria têxtil

24/11/2020

Indústria têxtil: matérias-primas podem ser naturais e químicas?

Escrito por Audaces