Audaces - Improve your design

Design de moda com foco em resultados para seu negócio

Ícone de Pesquisa

01/11/2013

Filme Gilda mostra figurinos lindos e glamurosos

Confesso que há alguns meses na minha prateleira, sem nunca ter sido rodado aqui em casa, o filme “Gilda” me atraía pela fama, mas me dava alguma preguiça. Agora, depois de assistir o drama noir dirigido por Charles Vidor, deslumbro-me com a beleza real de Rita Hayworth, diva inesquecível de Hollywood e famosa pelos cabelos ondulados e ruivos.

 

Rita foi a primeira mulher a usar um vestido tomara que caia/ Reprodução

O filme é envolvente, tratando da relação de uma mulher extremamente sensual e sedutora com um ex-amante. Gilda usa seu poder de envolvimento para manipular e tentar ter algum controle sobre a própria vida. Isto, na verdade, é o que ela não tem: a trama se desenrola de modo que ela fique completamente presa aos homens que a rodeiam. Neste sentido, o filme rodado em 1946, talvez seja bem fiel ao momento em que foi produzido, refletindo a condição das mulheres daquela época. Gilda não pode se mover e seu único recurso é a beleza.

Além da pertinência histórica em termos sociais, é maravilhoso observar o caprichoso figurino criado por Jean Louis. Vestidos maravilhosos, com ombros marcados e cintura valorizada. Quem tem como registro dos anos 40 a tristeza militarista dos trajes femininos britânicos, que obedeciam às leis de racionamento, assista ao filme para ver o glamour desta década.

New Look de Dior só apareceria no ano seguinte e a referência ainda eram os ombros largos, a cintura marcada e os sapatos com algum peso. Rita flutua nas cenas com magníficos vestidos bordados, estruturados em primorosos drapeados, conferindo a ela um ar de deusa grega.

 

 

 

O figurino ajuda a compor a personagem Gilda, sensual e sedutora/ Reprodução

 

Além disso, Rita foi a primeira mulher a usar o modelo tomara que caia. Atenção especial à cena em que ela, ligeiramente embriagada, canta “Put the blame on Mame” (na verdade, foi dublada por Anita Ellis). O vestido tomara que caia preto foi exaustivamente copiado e segue fascinando até hoje.

Quanto à sua vida amorosa, recheada de divórcios, Rita, num dos desabafos mais conhecidos, contou: “Os homens dormiam com Gilda e acordavam com Rita”.

Assista abaixo um dos trechos do filme em que a personagem aparece com o vestido tomara que caia preto mencionado acima:

 

 

 

 

 

Por Ana Carolina Steil
Pós graduanda em Mídia, Moda e Inovação no Senac/RS

Leia também…
Referências estéticas da moda: o cinema (parte II)

– A moda busca referências estéticas no cinema (parte I)
 
– Moda busca referências estéticas no cinema (parte II)

Cinema e moda: a importância do figurino

 

 

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Você também pode gostar de ler:

Novembro Azul

30/11/2020

Novembro Azul: A cor da moda para os homens

Escrito por Audaces

produto-de-moda-desenvolvimento-industria-4.0-audaces

24/11/2020

Como aperfeiçoar o produto de moda com tecnologias da Indústria 4.0

Escrito por Audaces

indústria têxtil

24/11/2020

Indústria têxtil: matérias-primas podem ser naturais e químicas?

Escrito por Audaces