Audaces - Improve your design

Design de moda com foco em resultados para seu negócio

Ícone de Pesquisa

08/07/2013

Estética caótica de Craig Green desafia a lógica do mercado

A roupa com caráter de escultura desafia a estética e a lógica habitual do mercado. Reclama reflexão. As criações de estética caótica de Craig Green – com foco no público masculino – ressoam dissonantes quando inseridas no contexto clássico da alfaiataria britânica.

 

O designer britânico Craig Green desafia a estética do mercado da moda/ Fonte: site WWD

 

Na recente aparição da London Collections Men a exibição de suas silhuetas armadas foram aguardadas com a curiosidade que é peculiar em torno do seu nome. As vestes estruturadas surgiram combinadas às estampas de colorido manchado e psicodélico, que pareciam desconexas e acidentais para sublinhar o conceito de caos e ilusão da coleção.

Para o espectador desavisado, o “caos” que inspira a Primavera/Verão 2014 pode ser compreendido como o tema perene do estilista mestre em design pela Central Saint Martins (2012). O jogo de luz e sombra, o tye-dye que tinge túnicas, as calças de algodão encurtadas e os apetrechos em papel machê e madeira, que desdobram-se em extensões das roupas, expõem a criação artesanal e utilitária e retratam a estética caótica de Craig Green. Na passarela, o desfile que marca sua costura tem uma assinatura teatral e ao mesmo tempo inquisidora por trás das máscaras usadas pelos modelos.

Semeador de opiniões divergentes que versam sobre o que produz, Craig é tratado como visionário. Reinventa o uso de materiais para a indumentária, aposta em volumes excedentes e ousa em acabamentos que também fogem às práticas convencionais.

O designer de 26 anos tem origem simples. Cresceu no norte de Londres sem exposição ao universo da moda, porém, atento às manifestações da arte. Cercado por familiares artesãos e construtores, capturou desse contato as experiências do fazer à mão e de reinterpretar o uso das coisas.

 

 

 

 

Peça da Criação Primavera/Verão 2014 retrata a estética caótica de Craig Green / Fonte: site Dazed Digital

 

Talvez sejam suas memórias as melhores respostas para a moda arquitetural e utilitária que estabelece paradoxos sobre a verdadeira função de vestir. As peças cultivam um estilo etnográfico – às vezes nômade – e convidam a pensar sobre a transitoriedade das pessoas na cena urbana.

Por Raquel Medeiros
Jornalista, coolhunter e editora do site Nas Entrelinhas

 

 

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Você também pode gostar de ler:

Mapeamento de processos

26/01/2022

A importância do mapeamento de processos para a confecção

Escrito por Audaces

Coleção de moda

26/01/2022

Saiba quais os processos envolvidos na criação de uma coleção de moda

Escrito por Audaces

Gestão do tempo

25/01/2022

Saiba como fazer uma boa gestão do tempo para alavancar resultados

Escrito por Audaces