Audaces - Improve your design

Design de moda com foco em resultados para seu negócio

Ícone de Pesquisa

03/06/2013

Alfaiataria feminina: da produção a mão à confecção

Quando usamos a palavra ou o conceito de alfaiataria a primeira conotação que temos é a de roupas sob medida, o alfaiate, o corte impecável, roupas estruturadas e bem forradas, com costuras por excelência.

Um método e costume – primeiramente do guarda roupa masculino -, a alfaiataria abrange diversificadamente o universo feminino. O que antes era feito à mão, na atualidade foi substituído por maquinário específico em que a confecção da roupa não perde o aspecto manual.

Segundo historiadores de moda, a alfaiataria feminina começa no século XVI – talvez com Elisabeth I. Porém, o uso deste método para as mulheres fica aparente no século XIX, período em que a roupa feminina era composta por duas ou mais peças sobrepostas, como casaco tipo basque por cima de uma blusa e saia longa.

Em 1920, Coco Chanel lança outro tipo de tailleur com as mesmas estruturas de alfaiataria que os homens utilizavam. Em seguida, Dior com seu New Look, transforma o tailleur numa peça ícone e inconfundível. Mas é no final da década de 60 que as glórias da alfaiataria feminina acontece com Yves Saint Laurent e sua criação do smoking feminino.

A característica principal da alfaiataria é o caimento, a roupa respeitando as medidas do corpo que a veste, acabamentos que valorizam o conjunto e modelagem diferenciada em cortes que enfatizam esse segmento da moda.

Comumente identificamos uma peça de alfaiataria por sua forração, utilização de estruturas internas, como entretelas firmes, modelagens alinhadas e na maioria das vezes longilíneas.

 

A alfaiataria feminina dá elegância ao look da mulher/ Fonte: Site Black Marks On Paper

Essas peças possuem os acabamentos mais refinados em relação a outros segmentos da moda. Também têm presença do feito a mão, apesar dos maquinários que otimizam o processo operacional. Entre outros aspectos, o caimento uniforme, reto, sem amassados é a chave fundamental de identificação do estilo.

Há algumas décadas a alfaiataria tomou novos caminhos, transformou-se em moderna para adequar-se a contemporaneidade, chegou ao varejo de moda e, hoje, está presente em quase todos os segmentos: streetwear, jeanswear, malharia em geral, entre outros.

Um bolso, uma barra de calça, um acabamento e um cós diferenciado podem ser agregados aos diversos segmentos com o aspecto da alfaiataria. O bolso faca e um cós fitado (acabamento com viés) são típicos aspectos da alfaiataria e podem ser encontrados em uma calça jeans, por exemplo.

A alfaiataria atual, totalmente adaptada ao prêt-à-porter, continua sendo confeccionada com tecidos tradicionais do segmento; é atemporal a lã fria, gabardine, microfibra, veludo e tweed.

As padronagens seguem o mesmo conceito como o risca de giz, certos xadrezes, príncipe de gales, listrados e espinha de peixe. Porém é comum esbarrar pelas ruas com um paletó ou blazer de moletom ou jeans, com vários recortes e manga de duas folhas. Isso não quer dizer que estas peças perderam o aspecto de alfaiataria.

Para saber mais sobre o assunto, do conceito às técnicas de construção e estruturas das roupas, deixo como material de pesquisa o 8º número do Guia Completo da Costura – “Alfaiataria, Coleção Manequim”, a qual participei das entrevistas e construção de alguns textos.

 

 

 

Blog iniciante na costura

 

 

Por Roberto Rubbo
Professor
do SENAC Lapa Faustolo

 

 

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Você também pode gostar de ler:

produto-de-moda-desenvolvimento-industria-4.0-audaces

24/11/2020

Como aperfeiçoar o produto de moda com tecnologias da Indústria 4.0

Escrito por Audaces

indústria têxtil

24/11/2020

Indústria têxtil: matérias-primas podem ser naturais e químicas?

Escrito por Audaces

Listras de tinta com cores do círculo cromático

16/11/2020

O que é círculo cromático e como combinar cores na moda

Escrito por Audaces