Audaces - Improve your design

Design de moda com foco em resultados para seu negócio

Ícone de Pesquisa

20/11/2013

A representatividade do corpo na sociedade e na moda

2 min

Por Ana Luiza Olivete
Designer de Moda, Professora e Consultora Empresarial

“Moda não é somente roupa, e sim uma simbologia, o reflexo da sociedade, que nos permite entender os acontecimentos de determinado período”. (SOUZA, 1987) Assim, os corpos vão se transformando, metamorfoseando, evidenciando e, algumas ou diversas vezes, causam estranhamento; fatos que elucidam que a sociedade contemporânea já não permite seguir padrões, e pede para que sejam despidos os preconceitos e limitações que impeçam o entendimento de que, as mudanças são decorrentes e tudo o que parece agradável a um, pode ser nada agradável a outro.

Através da aparência de nossos corpos poderemos ter a aceitação social ou não. Representamos nele nossas expectativas e também os controles sociais. O tratamento cultural manifestado no corpo em nossas sociedades contemporâneas nos proporciona categorias fundamentais de identidade e subjetividade pessoal numa determinada cultura, assim como ao seu sistema de valores, tornando-se um determinante da identidade social.

“O corpo social domina a maneira como o corpo físico é percebido. O corpo individual (físico e psicológico) é adquirido no nascimento, mas o corpo social torna-se vital ao corpo físico que queira se “enquadrar” e compreender o que uma determinada sociedade fornece como padrões, e as expectativas que tem em relação a cada indivíduo.” (MUSSON, 1998)

Para Le Breton (2004), “o corpo não é uma versão irredutível de si mas uma construção pessoal, um objeto transitório e manipulável suscetível de variadas metamorfoses segundo os desejos do indivíduo”, onde se cria uma realidade provisória ou duradouramente escolhida, cheia de bagagem estética e simbólica, que os difere ou os iguala aos demais nesta nossa sociedade.
 

Body Art/ Fonte: site Mundoalterado

“A moda pode ser definida como a parte mais visível (mais notória na atividade social), da inconstância humana, da necessidade de novidade e de mudança que experimentam os indivíduos nas modernas sociedades ocidentais.” (HETZEL apud NEVES, 2000)

Referências
MUSSON, M. T. A Cultura da Manequim, anorexia nervosa e bulimia: uma reflexão antropológica sobre cultura e doença. 1998, 119f. (Mestrado em Antropologia Social) – Pós-Graduação em Antropologia Social – Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis: 1998.

NEVES, Manuela; BRANCO, João. A Previsão de Tendências para a Indústria Têxtil e do Vestuário. Lisboa: TecMinho, 2000.

LE BRETON, David. Sinais de Identidade: Tatuagens, Piercings e outras marcas corporais. Tradução: Tereza Frazão. Lisboa: Miosótis, 2004.

SOUZA, Gilda Rocha de Mello e. O espírito das roupas: a moda no século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

 

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Você também pode gostar de ler:

robôs transportando estoque

12/11/2021

O que são e como funcionam as fábricas inteligentes

Escrito por Audaces

mulher tocando tela holográfica

05/11/2021

A importância do IoT para as Indústria e as Confecções 4.0

Escrito por Audaces

19/10/2021

Degradê Confecções: como a empresa cresceu 13% com as soluções Audaces

Escrito por Audaces

inteligência artificial na moda

09/06/2021

IA e Moda: influência da Inteligência Artificial na Indústria Fashion

Escrito por Audaces

PLM na confecção de moda

28/05/2021

PLM: o que é, benefícios e como aplicá-lo na Indústria da Moda

Escrito por Audaces

rolos de tecidos em fábrica têxtil

19/11/2021

5 tendências para o segmento têxtil e a indústria da moda

Escrito por Audaces

produto descontinuado Audaces

10/11/2021

Audaces comunica a descontinuidade de peças e suprimentos de Jet Print e Jet Print Plus

Escrito por Audaces